Estimados jogadores, em um passado recente, Cyberpunk 2077 foi sinônimo no segmento com expectativas elevadas, alimentadas por um marketing empolgante que prometia uma revolução no mundo dos jogos. O ano de 2020 marcou não apenas o lançamento do tão aguardado título, mas também o início de uma jornada repleta de altos e baixos.

| Trailer

| Decepção Inicial

Ao receber o jogo em dezembro de 2020, antecipava uma imersão profunda na vibrante Night City. Contudo, a realidade era bem diferente. Bugs, desempenho lamentável nos consoles e a desconexão entre as promessas e a entrega real deixaram-me desiludido. A versão para Xbox One tornou-se praticamente injogável, levando-me a solicitar um reembolso.

| O Longo Caminho para a Recuperação

Três anos se passaram, e durante esse período, a CD Projekt Red não apenas enfrentou críticas, mas também se dedicou a aprimorar e redefinir Cyberpunk 2077. A tão esperada atualização 2.1, especialmente no Xbox Series X, trouxe consigo uma metamorfose notável. Night City agora pulsa com vida, apresentando um sistema de metrô funcional, novas músicas no rádio, não só no carro, mas também quando você anda pela cidade a pé, interações mais profundas e corridas empolgantes.

| A Redenção nas Atualizações

As mudanças são evidentes em todos os aspectos do jogo. Desde melhorias no combate com armas de fogo e brancas, assim como nos veículos e a inclusão de novos carros e corridas, cada adição parece uma resposta direta às críticas iniciais. A beleza visual, agora potencializada pelo ray tracing e uma resolução 4K, é uma visão deslumbrante juntamente com resgates de itens e brindes digitais, contribuindo significativamente para a experiência do jogador. A animação da Netflix, chamada “Cyberpunk: Mercenários“, lançada como uma história inédita dentro do universo do jogo, trouxe uma expansão significativa permitindo que os jogadores encontrem itens relacionados ao conteúdo ao explorar Night City.

| Imagens

  • Está sem Game Pass Ultimate? Então clique aqui e garanta já o seu com desconto.

| A Dualidade da Experiência

A relação com Cyberpunk 2077 evoluiu para uma dualidade complexa de amor e ódio. O desapontamento inicial cedeu espaço para uma gratificante redenção. A transição para os consoles de nova geração “Xbox Series S|X” trouxe não apenas uma jogabilidade mais suave, mas também uma verdadeira imersão no universo cyberpunk.

| Conclusão

Ao refletir sobre minha jornada com Cyberpunk 2077 percebo que o tempo só fez bem ao jogo confirmando que, na época do lançamento, não estava pronto. A CD Projekt Red, através de atualizações e melhorias contínuas, transformou um título problemático em uma experiência envolvente e digna do seu potencial inicial. Esta jornada, marcada por altos e baixos destaca não apenas as falhas do passado, mas também a capacidade da indústria de corrigir, aprender e finalmente entregar uma obra-prima esperada. Com o lançamento da expansão “Phantom Liberty,” estou ansioso para compartilhar minhas impressões em um artigo futuro.

| Outros Detalhes

VISUALPRIMEIRA PESSOA
MODO DE JOGOSINGLE-PLAYER
CONQUISTAS57
TIPORPG / AÇÃO / AVENTURA
TEMPO PARA 1000G60-80 HORAS
  • Perdeu as notícias da semana passada? Então confira tudo que rolou no Resumo da Semana!

| Loja

Se achou esse jogo interessante, aqui tem os links para as lojas parceiras e se comprar na FullCards pode parcelar até 12 vezes!


Não deixe também de conferir todas as promoções que estão rolando na Xbox Live acessando nosso link de ofertas. E se você estiver querendo acessar os jogos do catálogo do Game Pass e sua assinatura estiver acabado não se desespere, você pode renovar seu Xbox Game Pass Ultimate usando esse link com desconto.

Autor

  • TST Auditore

    Técnico de Segurança do Trabalho com prazer, porque se desejam ficar ricos, escolham outra profissão. Nas horas vagas, me aventuro nos mundos dos jogos, sendo um guerreiro corajoso, um ladrão astuto e um assassino implacável e, é claro, falho em todas essas missões com maestria.

    View all posts