Bloodhound é um jogo curto e violento que busca trazer a nostalgia e honrar os clássicos jogos de FPS, ao nível gráfico atual com muito sangue para os amantes de gore. O jogo foi desenvolvido e distribuído pela Kruger & Flint Productions e agradecemos pela chave da Steam cedida para esta análise.

| Trailer

| História

A história é contada bem rapidamente na introdução do jogo em forma de revista em quadrinho. Ao invadir um local com alguns cultuadores fanáticos de Astarô, o seu personagem mata todos e assim rouba um anel que lhe concede o poder de roubar as almas de seus inimigos para lhe conceder força, além de também encontrar um mapa com um ponto “X” marcado, o que o faz embarcar na trilha repleta de inimigos fanáticos e demônios em busca de mais poder.

| Jogabilidade

Completamente cheio de ação do começo ao fim, a cada área adentrada estará cheio de inimigos que surgem do nada em todos os cantos como forma de ondas quase intermináveis. O game possui uma boa variedade de inimigos, cada um com estilos de ataques diferentes mas que podem ser explodidos facilmente com o seu arsenal diversificado. Temos a disposição diversas armas que podem ser encontradas caminhando no mapa, que tem uma quantidade limitada de munição e que não necessitam de recarga, o que favorece o estilo arcade do jogo e o que te mantém em um ritmo frenético independente do tipo de arma a qual esteja carregando.

Como não poderia faltar, o jogo ainda conta com alguns chefões a serem enfrentados, e algumas portas trancadas as quais requerem um pouco de exploração por entre as fases que lembram labirintos para que sejam encontradas suas chaves.

O jogador ainda poderá encontrar power-ups consumíveis que podem desacelerar o tempo, fazer com que suas munições não sejam gastas e que sua vida tenha um aumento momentâneo, além de seu poder especial, o modo demônio, que pode ser usado consumindo as almas roubadas de seus inimigos mortos.

  • Está sem Game Pass Ultimate? Então clique aqui e garanta já o seu com desconto.

| Dicas e Acessibilidade

Haverá poucos momentos nos quais você poderá parar para respirar e salvar o seu jogo, então aproveite-os. A quantidade de inimigos te atacando constantemente faz a dificuldade do jogo.

O jogo pode ser finalizado rapidamente em cerca de duas horas, mas provavelmente para completá-lo você precisará jogar mais de uma vez, a não ser que já comece o jogo no modo difícil, o que pode ser um pouco maçante para um jogador sem o costume do jogo.

| Imagens

| Considerações Finais

Bloodhound entrega a sua ideia de jogo clássico, mas sinto que ele ainda poderia ser algo a mais. Apesar de sua proposta ser como um remake ou remaster de um arcade depois de anos tendo absorvido tantas novidades em termos de mecânicas, acredito que mesmo com alguns pontos a mais ele ainda assim não perderia a sua essência e conseguiria passar a sua ideia de nostalgia. Isso faz com que ele acabe sendo um jogo mediano e não um jogo que seja marcante.

Seus gráficos são realmente muito bem feitos, os inimigos são bem detalhados e você pode notar cada tiro que os acertam. Em contra-partida, há muita informação na tela ao mesmo tempo, sendo um pouco difícil de reparar todo o trabalho que foi feito em seus mapas e inimigos.

| Avaliação

História
Visual
Áudio
Jogabilidade
Diversão

*O jogo tem um nível de dificuldade moderadamente difícil que requer pensamento rápido para se esquivar dos ataques de seus inimigos e pegar os itens que recuperam sua blindagem e HP espalhados pelo mapa quando for necessário.

| Outros Detalhes

VISUAL3D / PRIMEIRA PESSOA
MODO DE JOGOSINGLE-PLAYER
CONQUISTAS103
TIPOAVENTURA
TEMPO PARA 1000G2-4 HORAS
Jogo concedido pela Kruger & Flint Productions.

Não deixe também de conferir todas as promoções que estão rolando na Xbox Live acessando nosso link de ofertas. E se você estiver querendo acessar os jogos do catálogo do Game Pass e sua assinatura estiver acabado não se desespere, você pode renovar seu Xbox Game Pass Ultimate usando esse link com desconto.

Autor

  • O J

    Jogador casual e fascinado por histórias desde a infância, agora autor do time GamerManíacos. Jogando sempre que posso e até adormecer no sofá. Gosto de todos os tipos de jogos, exceto de esportes, esporte mesmo, só fora do video-game.